Comunicado Confederações - Associação Empresarial de Fafe, Cabeceiras de Basto e Celorico de Basto

Procurar
Ir para o conteúdo

Menu principal:

Media Center > Arquivo de noticias > 2012

 N O T Í C I A S

 

Confederação Patronais
Reações às declarações António Borges

 

Tomada de posição às declarações de António Borges

Foi com profundo desagrado que a CAP - Confederação dos Agricultores de Portugal, a CCP - Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, a CIP - Confederação Empresarial de Portugal e a CTP Confederação do Turismo Português, tomaram conhecimento das palavras proferidas, ontem, por António Borges, que avaliou como “completamente ignorantes” os empresários que se manifestaram contra a “inteligente medida” de redução da TSU.

As 4 Confederações Patronais consideram que o consultor do Governo para as privatizações ignora o papel que as empresas desempenham na economia, os seus compromissos em matéria de responsabilidade social e a forma como se desenvolvem as relações laborais.

Entendem ainda que as funções públicas desempenhadas pelo Prof. António Borges exigem serenidade, ponderação e bom senso, o que não se verifica nas afirmações ontem proferidas, que ofendem milhares de empresários portugueses que enfrentam crescentes dificuldades para manter empresas e postos de trabalho.

O prof. António Borges ignorou – irresponsavelmente – esta realidade viva e dinâmica que é o tecido empresarial português. Deve-lhes, por isso, um pedido formal de desculpas. Provavelmente, serão muitos desses “ignorantes” empresários que se candidatarão às privatizações em que o Prof. António
Borges está a aconselhar o Governo.

Relembram, também, que os empresários e as Confederações que os representam têm demonstrado uma profunda consciência da grave crise em que o País se encontra, mantendo-se, desde o início, disponíveis para participar na procura de soluções para o país que, assentes em consensos sociais alargados – como Compromisso para o Crescimento, a Competitividade e o Emprego, assinado pelas 4 Confederações, pela UGT e pelo Governo – contribuam para superar as atuais dificuldades num ambiente de compromisso e de estabilidade social.

Por último, as 4 Confederações pedem ao Governo rigor e determinação na adoção de medidas, mas, igualmente, ponderação e bom senso, de forma a que as reformas de que o País necessita possam ser levadas a cabo, sem crispações desnecessárias.


Lisboa, 30 de setembro de 2012


João Machado, Presidente da CAP
João Vieira Lopes, Presidente da CCP
António Saraiva, Presidente da CIP
Francisco Calheiros, Presidente da CTP


 
 
 
 
 
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal